Por determinação do governador Carlos Massa Ratinho Junior, Comec prepara planejamento de longo prazo para a RMC, aliando a melhoria da qualidade de vida dos moradores com a preservação do meio ambiente.

Araucária. Foto: José Fernando Ogura/ANPr

Planejamento de longo prazo, aliando desenvolvimento e sustentabilidade. Essa é a meta que norteia as ações do Governo do Estado para a Grande Curitiba. O governador Carlos Massa Ratinho Junior determinou que a Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec) deixasse de ser apenas o elo responsável pela organização do transporte público nos 29 municípios vizinhos à capital para ganhar protagonismo e passar a pensar a região para as próximas décadas.
Hoje são aproximadamente 4 milhões de habitantes. “A Região Metropolitana cresceu muito nos últimos anos, mas sem planejamento e apoio do Governo do Estado. Queremos pensá-la e prepará-la para os próximos 10, 20, 30 anos, por isso a Comec investe na formação de equipe com engenheiros, arquitetos e urbanistas”, afirma o governador.
O presidente da Comec, Gilson Santos, explica que o órgão aposta em dois pontos centrais, que nortearão as ações técnicas: a elaboração do Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado (PDUI) da RMC, atendendo ao Estatuto da Metrópole (Lei Federal nº 13.089/2015), e a criação de um novo contorno rodoviário nos arredores de Curitiba. “A Comec passa a ser um grande ponto de apoio aos municípios, buscando sempre o desenvolvimento sustentável”, diz.
OBRAS – São cinco propostas prioritárias, sendo que quatro delas fazem parte do grande pacote de projetos executivos que o Governo vai lançar ainda neste mês. Uma dessas ações é a criação de uma nova rodovia, um trecho da PR-423, ligando o trevo da entrada de Araucária, na BR-476, à divisa de Curitiba com a Fazenda Rio Grande, na BR-116.
O projeto avaliado em R$ 200 milhões prevê ainda ciclovias e duas trincheiras para desafogar o trânsito em duas áreas populosas da Região Sul da capital, no bairro Campo do Santana. “A previsão é que a rodovia tire 30% do tráfego pesado dos bairros”, explica Santos.
Além disso, dentro do banco de projetos estão previstas a duplicação de outro trecho da PR-423, entre Araucária e Campo Largo, e da PR-418, ligando Almirante Tamandaré à BR-277, área com grande número de acidentes dentro da RMC.
Há também uma parceria em andamento entre o Governo e a Prefeitura de Curitiba para a ampliação do Viaduto do Orleans, na BR-277. O Estado vai preparar o projeto executivo, deixando a cargo do município a licitação e execução da obra.
CONTORNO NORTE – O presidente da Comec diz que o órgão fecha os últimos detalhes para a implementação de 13 quilômetros de estrada em Colombo, fazendo com que a Rodovia da Uva chegue até a BR-116, na região de Campina Grande do Sul. A proposta tem um traçado que passa por uma faixa reservada para o Corredor Metropolitano e que já faz parte do Plano Diretor de Colombo.
A construção do Contorno Norte é, por contrato, de responsabilidade da concessionária Arteris – Autopista Regis Bittencourt. O projeto está em discussão desde 2009, mas até hoje não foi possível iniciar a obra por causa da indefinição do traçado. “Chamo de força-tarefa do Contorno Norte, algo que vai desafogar o trevo do Atuba e tirar tráfego da via urbana”, explica Santos. “Estamos conversando com a concessionária para chegar a um denominador comum”, informa.
Ratinho Junior destaca ainda o investimento de R$ 23 milhões em São José dos Pinhais para a revitalização completa da Avenida Rui Barbosa, com a construção de uma ponte com 30 metros de extensão sobre o Rio Pequeno, além da pavimentação e recape de ruas movimentadas que cruzam a via e do alargamento da duplicação no encontro com a BR- 277.
“É um dos pontos é o estrangulamento na BR-277 com a Avenida Rui Barbosa, uma obra muito importante e que precisava ser feita. Vai resolver um problema muito sério de trânsito, diminuir o número de acidentes naquela região”, diz o governador.
SUSTENTABILIDADE – Ainda na área de projetos estruturantes, a Comec trabalha na revisão de quatro projetos de parques nos municípios de Piraquara, Pinhais, São José dos Pinhais e Araucária. Eles terão a função de preservar o meio ambiente, recuperar a vegetação nativa, lazer e melhoria da qualidade hídrica, além de redução dos riscos de inundações na região.
PLANO DIRETOR – Santos explica, ainda, que dentro do Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado da RMC, mapa que definirá o planejamento para a região, está previsto o apoio para que os municípios preparem ou atualizem os seus próprios planos diretores. “Muitas cidades não têm técnicos disponíveis, por isso a Comec se encarregará de ser um facilitador e agregador das ações.”

Fonte: Agência Estadual de Notícias